Válvula termiônica caseira

Pessoal tenho esse projeto bem simples de válvula que envolve três componentes(Sal, Cobre, Ferro) que a maioria das pessoas tem em casa. Gostaria que vocês mais entendidos de eletrônica opinassem, para que eu possa saber se a alguma objeção para o funcionamento da válvula.

O projeto consiste em três fios bem próximos envoltos por uma camada de sal.
O primeiro fio (lã de aço)tem o objetivo de esquentar o sal ate a temperatura 801 C° para que se torne condutivo permitindo a passagem de corrente entre os dois fios de cobre que estão bem próximos.
Deixo uma imagem para facilitar a compreensão.

Você tentará fazer uma válvula em estado sólido ?
Conceito interessante…

Exatamente, em vez de aquecer um gás como nas válvulas comuns o filamento aquece o sal tornando o condutivo dispensando a utilização de câmara.

Nunca ouvi falar desse processo, acho que se fosse fisicamente viavel alguém teria feito isso nos tempos “clássicos”. Não sei se você teria portadores de carga livres no sal fundido.

Composto iônicos (Sal, Vidro) conduzem eletricidade na fase liquida, mas quando em estado solido são isolantes.
No vídeo abaixo a uma experiencia onde o vidro e aquecido com um maçarico ate conduzir eletricidade.
Ponto de fusão do vidro 1000C° e 1200C°.

O processo da válvula e parecido, substitui o vidro pelo sal(801C°) e o maçarico pelo filamento de ferro(1500c°).

Sobre ninguém ter feito isso antes, não sei explicar.

Muito interessante a idéia, conselho faz!!! vai que por azar dá certo, kkkk. Isso pode render projeto de pesquisa, mestrado e até doutorado se ninguém tiver feito.

Então se funcionar é bacana, porem tem alguns problemas, pra tornar ele condutivo tem que ser acima de 800 graus, porem isso é bem difícil de fazer, eu derreto alumínio as vezes e é bem difícil chegar aos 700 graus, então você vai ter que usar muita corrente pra isso, o teu filanto tem que ser muito resistente e o consumo de energia vai ser grande, e também depois que atingir 800 graus as coisas ficam bem perigosas, mas isso é o que eu acho que vai acontecer, então …
Mas seria legal construir uma válvula em casa por que elas são muito caras.
Nos anos 50/60 a RCA criou uma válvula chamada nuvistor ela era de metal e consumia pouca energia, acho que se a ideia é criar uma válvula do zero esse é o caminho mais fácil, ela não é tao complexa, e ate as normais podem serem fabricadas em casa mas o trabalho é árduo

(O filamento de lampada tungstênio fica entre 2200 °C e 2700 °C) wiki.
Então o filamento se isolado do contato com ar evita a ação oxidante permitindo altas temperaturas, alem de impedir de um contato direto.
Com o filamento de ferro isolado dentro do cristal de sal espero que aconteça o mesmo.

Tentei uma vez, cristalizar o sal com as duas pontas de cobre e lã de ferro tudo bem perto e mais difícil do que parece. Vou ficar só na teoria mesmo. Valeu pelo incentivo.
Se alguém quiser replicar esta autorizado, desde que poste no youtube (e me passe o link)kkkkk.

Ah essa é pra dinossauro como eu… SIM existia tal parafernália termiônica, funcionava como um sensor triodo com sódio fundido, a temperatura era elevada com certeza…o sódio metálico fundido é muito reativo, esse tipo de sensor era encapsulado em aço inox e cerâmica, não sei se pode ser chamado de estado solido, já que o eletrólito é liquido… usar o cloreto de sódio deixa tudo mais instável, pois o cloro é muito corrosivo. Se vc quiser tentar com algo de menor potencial destrutivo, pode tentar um triodo eletrolítico,com água salgada veja esta discussão: https://www.electronicspoint.com/forums/threads/making-electrolytic-triodes.289861/
BoaSorte!